Inexplicável ausência de entendimento

 
Oh, montanha secular
Onde as temeridades se acumulam
A neve sob o luar embevece tanto o olhar
Quanto o medo estremece e tira o ar
Em um andaime no trigésimo andar
*
 
Morro um pouco mais todo dia
Conformado
Por me sentir eternizado
Na poesia
Entre suas coxas
*
 
Vitimado incessantemente
Pelas mazelas da vida
O homem agradece os bons momentos
Com apenas um gesto cansado
 
Sem você
Para que os arroubos adolescentes
Se a fraqueza é o destino
Dos materialistas condescendentes
 
Não se sabe até onde
As solas dos sapatos aguentarão
Até que o grito dos massacrados
Cessem
Luz tardia para os perdidos convictos
É emoção prévia para desvalorizados
Céticos
Uma inexplicável ausência de entendimento
                       
                                           * fotos de Howard Chen
           Marcelo Gomes Melo
 

Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento