Cenas da vida no Planeta Terra em um futuro distante

          Pacatos cidadãos da civilização pós-nuclear do nosso  altaneiro país, venho hoje aqui, despido de orgulho e repleto de humildade ante a vossa valorosa e digníssima presença, atrapalhar a vossa importante concentração matinal a caminho de seus trabalhos honestos que lhes garante a sobrevivência tranquila acima da linha da pobreza atual, o que lhes coloca hierarquicamente em posição dominante sobre a casta dos miseráveis excluídos sem razão de viver, à qual me incluo.

          Irmãos da bondade infinita, é confiando nessa característica especial inerente às vossas pessoas que me coloco aqui, nesse aerotrem especial, em pé em frente às vossas pacíficas e inteligentes faces, sem vestimenta especial e muito menos aparelho para reposição de oxigênio reserva, para o caso de alguma falha no casco da nave colidindo com algum meteorito nessa viagem matinal à lua, local em que vocês, com tanta capacidade realizam seus portentosos trabalhos, de importância vital para a colonização do satélite, possibilitando que mais planetas sejam descobertos, colonizados e mais moradias para os mal aventurados como eu.



          Caros terráqueos de família milenar como a minha, mas que conseguiram adequar vossas capacidades às novas necessidades com destreza e merecimento nesse século XXXVI, pós Era dos pastores dignitários presidentes, ao contrário de mim, pobre coitado de casta inferior a quem a sorte não bafejou e hoje apela para vossos corações de titânio de última geração, que lhes proporciona viver bem mais e melhor, por bombear pelos seus corpos saudáveis sangue e micro-organismos de regeneração constante das células, que me ouçam por mais alguns macro segundos lunares, o que nessa órbita equivale a uns sete minutos na contagem antiga de tempo.

          Senhoras e senhores da diretoria plasmática sensorial, pretendo afirmar aqui, tocando com a palma da mão direita no aparelho detector de mentiras espacial instalado em cada um desses trens espaciais por nosso amado governo, entendido na arte de mentir e na de detectar a mentira alheia, que sou honesto, trabalhador, pai amoroso e marido colaborador; caridoso e fanático doador de boa percentagem do que consigo amealhar como prova de fé e camaradagem.
 

          Eu sou engenheiro de formação. Desempregado ainda antes da Quarta Guerra Mundial, após curtir o seguro desemprego do nosso amado governo tentei formar minha micro empresa de carrinhos de cachorro quente, mas fali quando o governo proibiu o uso de proteína animal e derivados, bem como o glúten; além disso, os carrinhos não podiam atrapalhar a circulação pela calçada dos três trilhões de habitantes da Terra à época. Entendi, e falido, durante a guerra fui motorista de ambulância no front, carregando soldados vitimados pelos gases venenosos inimigos, usando apenas luvas de boxe e uma máscara de gaze. Eis a razão pela qual tenho uma perna paralisada, perdi o olho e minha voz soa ligeiramente metálica, graças ao dispositivo que recebi do INSS para instalar na garganta e recuperar parcialmente as cordas vocais.

          Pois bem, irmãos amigos, nada disso me parou, e hoje estou aqui dignamente lhes pedindo uma valiosa colaboração e ajuda para sustentar minha família, adquirindo essas balas e chicletes de legumes frescos, sem açúcar ou sal, maléficos à saúde, contendo o elemento magma 12, retirado dos vulcões do planeta Vênus e que ajudam a polir os dentes de ossos de brontossauros jovens inquebráveis da lua de Saturno que todos vocês usam e que os fazem tão belos! Tenho também chocolate azul sem cacau ou aditivos que prejudiquem a visão, com flocos de jiló puro. Aceito cartão de crédito e dinheiro vivo. Tenho gaiolas para manter o dinheiro vivo confortável em meu bolso, não se preocupem.

          Quem puder me ajudar, Deus abençoe; quem não puder, abençoe da mesma forma. Saibam que lhes desejo em dobro tudo o que tão gentilmente me desejarem. Logo,logo serei ejetado para o próximo meteoro terminal de trens, então me despeço emocionado com a vossa contribuição. Fui!

 

                      Marcelo Gomes Melo
 

4 comentários:

  1. Amigo Marcelo, sinceramente fiquei pasmo, e apaixonado pelo testo, maravilhoso. E quem sabe num futuro não muito distante tudo isso poderá ser uma realidade, triste, mas real.
    Parabéns mil vezes.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Assustador, Marcelo!
    Ainda bem que eu já morri quando esse tempo chegar... chegar!?... Bolas, chegou...

    Adorei. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Aurélio, meu amigo, acho até que peguei leve e o futuro estará mais ou menos como está hoje. rs...A verdade é pode ser muito pior! Agradeço a sua gentileza eterna!

    ResponderExcluir
  4. Sinto discordar, Luísa, mas você é imortal! Rs... Suas idéias e ideais permanecerão através de suas poesias e textos, incutindo esperança num ambiente caótico. Rs. .. Valeu!

    ResponderExcluir

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento