Magnetic Love letter



         Para escrever uma carta de amor, deve-se ter a consciência de que equivale a espalhar bolhas de sabão perfumadas pelo ar. Uma carta de amor verdadeira deve ser aberta ao universo, compartilhando particularidades essenciais para ajudar a inserir mais uma preciosa peça no quebra-cabeças da paixão, intrínseca à humanidade por merecimento ou castigo, dependendo do ponto de vista.

         Uma carta de amor deve ser magnética e colar em qualquer geladeira, qualquer muro ou poste, prender-se em qualquer cérebro, cobrir a todo coração, percorrer os rios, os mares e as veias que pertencem ao corpo.

         Eis o princípio básico para escrever uma carta de amor que suscite palpitações, pensamentos que varam a noite e continuam a instigar constantes sentimentos e perguntas com múltiplas respostas, apenas para confundir. O amor é confuso por natureza, o tempero certo para os caldeirões dos desejos.

          Então quando o lápis recebe suave pressão entre os meus dedos, acredite, a sua cintura sentirá um firme puxão atracando o seu quadril contra o meu. O delinear das letras sobre o branco papel fino é o desnudar do seu corpo pelas minhas ávidas mãos, é a utilização de todos os sentidos.

         O envelope é a cama de flores na qual lentamente conhecemos as reentrâncias dos nossos seres, atraídos com magnetismo ímpar, misturados em essência e solidez, uma arma contra qualquer solidão.

         O selo é a afirmação, a assinatura para toda a voracidade que nos alimenta. Paixão e tesão como uma fornalha intensa, imensa, que aquece a quem não pensa direito nos braços do amor.




Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Surfando na subjetividade Um dia todos os nossos planos serão realizados, e concluídos os mais importantes passos para a melhoria d...

Expandindo o pensamento