Cruzar o pântano carregando as flores do conhecimento



          Tente escapar da vala comum na qual a grande parte das mulheres desse mundo se esconde, dê uma chance aos seus desejos mais furiosos, guardados no fundo da sua mente confusa. É a hora para o grito primal libertar o seu corpo das correntes morais impostas por uma sociedade pobre de espírito, permitindo que a sua alma flutue entre o vulcão e as cinzas, intocada pela lava destruidora.
          Talvez seja a hora de submeter-se aos pecados plurais que lhe cutucam diariamente há anos sem resposta, rechaçados pela força imortal intrínseca ao ser humano que é hoje em dia. Reflita a respeito do que lhe incomoda realmente, descubra se é a opinião alheia ou o medo de espantar os fantasmas afastando as teias de aranha, infiltrando-se em um novo nível, corrompendo os seus princípios antiquados e aceitando a adrenalina que faz o seu sangue correr, o perigo da iminente descoberta lhe tirar o fôlego... Ansiar por isso mais vezes, reconhecer-se como a vencedora do concurso de sonhos realizados!
          A partir de hoje sinta mais, não se abstenha de nada, experimente tudo com um olhar de curiosidade e a mente aberta, uma sombra de sorriso no rosto como uma Monalisa depravada, aprendendo e aperfeiçoando tudo o que está destinada a desfrutar, graças ao meu convite bem-intencionado. Inesperado, eu sei, mas, o melhor que já lhe aconteceu em todo esse tempo, musa das inspirações contidas em um pequeno frasco de perfume.
          Venha comigo, mulher preciosa, acredite no que eu digo e no que lhe direi, mais tarde. Um mar de sabores percorrerá seus lábios, relâmpagos de prazer sacudirão o seu corpo e trovões assinarão com os seus gritos a tempestade de amor e a crença de que tudo a partir dali irá melhorar. Você será o algodão doce mais puro produzido para o paladar dos anjos, que cantarão enlevados em um coro perfeito que lhe conduzirá à luz eterna.



            Os seus medos ficarão para trás, querida, contanto que prefira abandoná-los! As suas dúvidas se dissiparão em nuvens, caindo em seguida como chuva que emprenharão a terra, e ela, molhada, úmida, estará preparada para prover alimento ao mundo com fartura para sempre.
          A mim restará arar, e plantar. Prometo que sou habilitado a fazer isso com doçura e profissionalismo, é o meu dom ancestral. Aceite o convite, me acompanhe esta noite, vamos, irmã, orar por todos os dias de conluio macabro pela falta de religião em você! Eu serei o seu pastor, o padre leal que lhe preparará a hóstia sagrada. O vinho será por sua conta.



Marcelo Gomes Melo
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento