O Rouxinol e a Rosa (Um conto selvagem)




“The Nightingale and the Rose”, conto de fadas escrito pelo poeta e dramaturgo inglês de origem irlandesa Oscar Wilde, um homem além de seu tempo na forma de enxergar o mundo e a vida, diz muito a respeito das desilusões amorosas que acompanham a cada um durante o período de existência, longa ou breve.

No conto de Wilde, um rouxinol sacrifica a si mesma contra um espinho para produzir uma bela rosa vermelha para um estudante apaixonado que gostaria de presentear à amada. Depois que o objeto de seu amor rejeita a flor por preferir as joias oferecidas pelo concorrente, o estudante a atira na estrada, e ela é esmagada pelas rodas que passavam, após concluir: “Que coisa tola é o amor! Fica o tempo todo a nos dizer coisas que não irão acontecer e fazendo-nos acreditar em coisas que não são verdade”.

A ferocidade com que as pessoas encaram as desilusões é o que as distingue entre si, e nada como um conto de fadas para, desde muito cedo ensinar sobre a vida e o amor, paradoxos inevitáveis e transparentes, impossíveis de evitar contando apenas a parte suave e maravilhosa, excluindo a crueldade e frieza que os acompanha do outro lado da moeda, gêmeos inseparáveis por toda a vida.



Há quem se compatibilize com o lado romântico, triste, que gera sofrimento e decepção; e há quem escolha o lado objetivo, frio e controlador, direcionado para a matéria, o que pode se transformar visivelmente em benefícios visíveis, adquiridos através da pose financeira, não importando nada além; alimento para o espírito não fortalecerá os partidários do segundo tipo, assim como alimento material apenas serve para manter vivos os participantes do primeiro grupo, não lhes causando nenhum tipo de excitação e prazer.

O intuito não é julgar quem está certo, ou se existe alguém errado nas escolhas; é firmar o conceito intransponível de que nada no mundo sobrevive unilateralmente. Ação e reação nunca foi uma lei natural tão viável e o equilíbrio é o verdadeiro Graal para quem busca qualidade de vida.
 
Marcelo Gomes Melo
 

Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento