Inevitabilidades



Tire os seus olhos dos meus olhos, agora
Não é brincadeira de criança, garota
É provocação perigosa que gera drama
Afaste o olhar do meu nesse instante
É uma afronta que acabará na cama

Você é confiante, domadora de homens
Não conhece caras como eu
Que não se envolvem com muitas
Tudo acaba em amor e sexo selvagem
E no fim alguém se machuca

Obedeça e afaste os seus olhos
Não me apetece reconhecer o brilho neles
As promessas que virão e que serão correspondidas

Tem coragem suficiente para isso?
Não seja arrogante, menina!
Caso se apaixone não haverá volta
Mantenha os olhos em seus pés
Na cor do esmalte escolhido

Permita que eu me afaste com dignidade
Para passar a noite com uma garrafa de conhaque
Até adormecer entorpecido
Amanhã carregarei a eterna dúvida
De como teria sido

                    Marcelo Gomes Melo
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento