O anjo exterminador



        Eu sou o único da minha espécie e o primeiro do meu Tempo. Trago como instrução única abdicar de todos os prazeres e conflitos apenas para me concentrar na tarefa vital de julgar, com letalidade impiedosa, após observar o comportamento das outras espécies.
     Não cabe a mim arbitrar ou demonstrar qualquer sentimento que turve os meus julgamentos. É tudo muito simples, observar, analisar e destruir. A mínima falha será punida, não há salvação nesse ramo. Todos perecerão sob a minha arma, sem o direito a uma palavra de arrependimento ou aceitação.
          A surpresa em suas faces será a última imagem que ficará em minha mente. Na deles, nada. Irão para o além sem paradas no caminho. Uns sofrerão a tortura de relembrar a própria história para sempre, em um looping interminável. Outros habitarão o limbo, sem saber a razão, o motivo da culpa que os machuca ferozmente sem descanso.
          Eu sou o primeiro do meu Tempo, não carrego paixões, nem qualquer coisa além de armas. O único da minha espécie, criado para restituir a glória através do extermínio cruel e indispensável dos seres cujas falhas são intrínsecas e milenares.
          Esse caminho de mão única não tem distrações, nada dos lados, destruição à frente. Conduzir os incapazes é o meu dever; o meu signo é a paz imperdoável, sou o silenciador dos bramidos vulgares que acalentam os nocivos à luz.
          Cérebros queimarão e o odor liberado embalsamará os ridículos para que sejam atropelados pela parte insana que correrá a esmo tentando encontrar salvação sem alcançar êxito.



         Cada um exercerá o seu papel nesse final de tempos em que a limpeza se faz necessária. A chuva ácida corroerá a tudo e em meu redor apenas escuridão.
          A lenda que me tornarei para os novos durará milênios, e os fará temer tudo o que foi feito até o tempo antes deles, portanto nada será repetido por séculos, até que se esqueçam e retomem o caminho de mão única, ameaçando o equilíbrio universal.
          Nessa época, então, eu, o único da minha espécie e o primeiro do meu Tempo retornarei, com mais armas, mais impiedoso, para cumprir o meu destino que é observar, analisar, julgar, punir.
          O rastro de destruição, como um cometa, se afastará das galáxias até desaparecer por completo. E serei conclamado e temido de boca em boca e nos registros escritos e digitais. Eu sou o anjo exterminador.



Marcelo Gomes Melo



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento