O inferno é aqui!



Eu mato porque está vivo, porque se já estivesse morto eu enterraria. O antídoto para as dores excruciantes que me acometem é a inevitabilidade dos acontecimentos. Tudo corre como um rio rumo à cachoeira, calmo em determinados pontos, perigoso em outros lugares, letal sob as corredeiras, barulhento a ponto de ensurdecer e enlouquecer. As suas águas parecem facas banhadas por lágrimas de plebeus.
Eu não tenho motivo para perdoar, ferroado constantemente pelas mazelas que me acompanham, com o zumbido irremediável dos que não dormem sendo recitado eternamente como um carma inexorável. Quando me pego lamentando trato de afogar com álcool em grandes quantidades, chegando ao precipício do suicídio, então resisto e resolvo sobreviver por mais um dia, remexendo nas entranhas dos inimigos com a ponta de uma lança poderosa.
Matar não é prazer, nem dever, é como respirar. Algo que se faz inconscientemente, natural como beber água. Não existe prazer, a vida é sinônimo de dor e desespero. Não há cura.
Evitar chegar a essa conclusão é retardar o sofrimento, mas recebe-los em doses homeopáticas não é a melhor escolha. Descobrir a verdade é perder as esperanças e estar preparado para fazer o necessário impiedosamente. Piedade é defeito, destruição é favor.
Mesmo assim, nada acaba após a morte para alguns, os que têm que lidar com as almas rebeldes, tolas e maleáveis. Seguir livrando o espectro, lavando-o com sangue é o único caminho.
Mundo torto, com inquilinos tortos, semimortos, vagando pelas planícies como abutres, destruindo tudo o que encontram, e como hienas, regalando-se com as sobras. Todos devem morrer duas vezes. Dois túmulos para criminosos que nem o sabem. O inferno é aqui!


Marcelo Gomes Melo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento