O verdadeiro castigo eterno



Morte é a única realidade dentre as habitações etéreas de uma alma universal. Sê realista, tu, vítima das ilusões contrastantes que imergem os pensamentos breves de alegria que não existe. Tudo o que se pode crer ao cruzar o portal dos enganos profundos é a fragilidade a ti vendida como esperança desde que ousaste nascer!
Repito, deixeis que a ti se revele a única verdade que o destino lhe reserva: a morte como princípio, meio e fim das tuas dores inerentes a uma existência vil disfarçada de prêmios e ganância!
Tu, mortal indecente que crês nas esbórnias de uma vida sem limites, crente da absolvição por tuas lágrimas de crocodilo ao devorar a tua presa, passais distante do único compromisso que te alcançará iminente, e te prenderá para sempre em um exílio sem enganos, fazendo-te urrar, “ó morte, que vigiais meus desdouros!”. Aliviai o meu fardo tirando-me do mundo e me iluminando desse limbo sufocante no qual não sou nada, não me vejo como nada e não acredito mais em nada, porque fui enganado desde o início e aceitei como vitória sem contestar o lado sombrio que era a única realidade o tempo todo.
Não há luz nem vitória que não seja a incutida em tua mente cheia de vícios e falhas. Tu que achas que o final de tudo é a ausência de vida, não terá tempo para implorar por perdão, porque a morte é a certeza inefável e o alívio final, dos quais poucos acessarão sem medo.
Viver é a grande provação e o desejo permanente por coisas inúteis que nublarão a tua carcaça que sofre e crê que se trata de sonhos e bendições vindouras.


 

Essa é a hora de saber finalmente que estás alijado do direito de morrer, e não haverá alívio para a tua masmorra pessoal jamais! O que acreditavas ser importante é apenas punição, mal intrínseco ao teu egoísmo que a terra tragará inclemente para níveis cada vez mais baixos e aterrorizantes.
Quando perceberdes o que realmente deverias escolher, o alívio final de todas as torturas, verás que é tarde e o sofrimento apenas fará de ti mais um farrapo humano espancando a teus pares em nome de uma falsa salvação.
A ti não será permitido morrer, corvo agourento que se alimenta dos olhos dos infiéis. Tudo é horror e não há coisa alguma que possais fazer para escapar do castigo eterno.







Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

A equação mulher em uma sociedade pervertida Eu quero confiscar os seus sonhos para analisa-los cuidadosamente e saber em quantos ...

Expandindo o pensamento