Da arte de possuir


Essa é a febre que me consome no contorno do seu corpo macio! Esses suspiros que me invadem e ofegante prossigo, tateando os caminhos mais deliciosos e macios no vale da perdição de um homem sensível.
É o momento em que não posso parar de explorar essa caverna cruel, a umidez que me obriga a deslizar fundo sem forças para pensar, empenhadas em consumir, a pisar no paraíso reservado a poucos. E a querer e querer até desmaiar sem poder para raciocinar, envolvido em prazer sensual sem fim.
É a lembrança que habitará o meu coração, todos os sentidos utilizados para desfrutar mais e mais; nada mais existe. Quando é recíproco o paraíso fica real e a espera se repete, ansiosa para novos encontros, todos os pareces, o sem fim inserido em você e em mim.



Marcelo Gomes Melo
 



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Tudo o que se fala quando não há o que dizer

  Tempos, tempos, que se façam lentos, apenas para nos torturar com o falatório estéril de quem hoje atua, por conta de uma boa equipe de ...

Expandindo o pensamento