O próximo apocalipse (emoções baratas no banco de trás)



Não espere nenhum reconhecimento de quem sequer lhe reconhece, e nem se esforça para isso; melhor, não tem interesse pelos seus pensamentos, prefere coisas mais simples, e você é mais um motivo de curiosidade. É possível se divertir imaginando coisas ou plantando coisas no pensamento da vítima de sua curiosidade, serve para passar o tempo e sorrir das diferenças de mundo, mas é altamente superficial.
Há muito disso por aí, pelo mundo, gente que prefere o que é fácil, mas também o vício pelo risco, buscando experiências diferentes para preencher um vazio imenso que só aumenta, e se torna incapaz de perceber o rastro de mágoa que deixa, preocupada apenas com as próprias mazelas, inocente sobre quem as criou, porque quando se olha no espelho não se enxerga.
Essas pessoas são criações de um século do egoísmo, vivem desconfiadas e apavoradas pelos fantasmas que elas mesmas criaram, e esse é um caminho sem volta. É quase impossível não encontrar alguém assim nesses tempos, e não se deixar envolver por alguém assim nesses tempos...
O importante é não lamentar quando as reconhecer e ao seu modus operandi. Incapazes de honrar sentimentos, inábeis para lidar com verdades, displicentes para reconhecer algo que lhes homenageie, concentradas apenas nos benefícios superficiais que as enganam e ferem, tanto quanto o fazem.
O mundo é escuro e a fome dessas pessoas imprudentes é impossível de saciar! Vivem para experimentar o máximo de emoções que consigam, não importa o que precisem sacrificar. No fim, o vazio no fundo dos seus olhos e as geleiras nos seus sorrisos falsos ajudam apenas a tornar a vida ainda mais artificial e os desejos menos valorosos; tudo o que querem é diversão barata em um banco de trás de um Fiat 147.


Esperar reconhecimento de quem não reconhece nem a si mesmo é perda de tempo, aumento de estresse, desespero adquirido.
E você se pega tentando agradar, viver como um escravo idiota confessando fraquezas que usarão contra você. É assim que as coisas seguem, que o mundo gira e os bons ficam pelo caminho, destroçados. Os ruins, também destroçados, convivem bem com a desgraça, são os demônios apavorantes com aspecto de flor e perfume de amor condenado. Vivem para arrasar e flutuar sobre tudo o que destroem sem emoção, sem compreensão, prontas para o próximo apocalipse.



Marcelo Gomes Melo
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento