O auge da culpa universal

 
É a estreia do resto das nossas existências, cão virulento! Como essa visão sombria pode ajudar a reerguer-lhe do chão duro e seco que lhe apara a queda e impele a derrocada em direção às profundezas do inferno particular que habita essa mente frágil e torta?

Um único tiro de aviso raspa-lhe a sensibilidade, é a hora de levantar o corpo pesado por tanta culpa e garantir um lugar na romaria que vaga em uma única direção, abismo de um lado, floresta escura do outro, sem promessas de que o recomeço seja valioso de alguma maneira.
No céu sobre nossas cabeças, raios azuis cruzam o ar anunciando punição inclemente, criatura soturna, desanimada, vítima dos terrores noturnos, culpado dos massacres diurnos. Limpe o seu machado ensanguentado e o utilize como bengala, ser humano inconsequente, ingênuo, maldoso na própria ingenuidade.
À frente o horror se materializa confirmando que a luz é mais veloz do que o som, porque os estrondos espalham corpos e abrem caminho para o retorno de muitos para o abismo, dessa vez sem volta.
Tomemos cuidado, criatura nojenta! Atente para as minas terrestres que vitimizam vários diante da nossa vista, cobrindo de sangue alheio e restos mortais a sua figura ainda mais patética, apesar de aterradora.
É a estreia do resto das nossas vidas, mas não parece melhor do que foi antes! Não lhe faz indagar se vale a pena passar por tais provações para viver mais do mesmo, criatura nefasta?



O mundo é o mesmo, o cenário já existe, como esperar que mudemos? Pelo que observas, não parece pior? Após uma vida de atropelos e violência, interrompida pela justiça poética, embora já esperada e justa, não te faz perguntar se vale a pena o retorno nesses termos, ou é uma outra fase da punição, fingir que há uma chance para dobrar os tormentos, acelerar a tortura e nos fazer reviver todas as ruindades cometidas ou presenciadas, com mais intensidade e destruição?

Caso pensemos direito, rei da culpa em potencial, talvez seja apenas o recomeço como imãs que atraem todas as formas de ódio universal, travestido de estreia para triplicar a dor, pois acompanhado de esperança, sendo falsa, atingirá o auge da punição em todos os tempos!



Marcelo Gomes Melo
 



 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento