Chulé!



Aquele maldito chulé determinara o rumo de sua vida. Logo adolescente usando tênis sem meia o dia inteiro e só tirando para dormir, adquirira um odor próprio insuportável até para ele mesmo.
Inquieto e envergonhado com aquele fedor de lama podre com abutres em decomposição, lavava os pés com esmero e aplicava cremes e perfumes, mas não adiantava. Nos lugares públicos evitava ficar próximo a ventiladores pois o odor putrefato se espalhava rapidamente e fazia pessoas passar mal, vomitar e até desmaiar. Tinha que fugir do local antes que descobrissem de onde vinha a fonte dos desprazeres.
Achava os seus pés mergulhados no pântano do inferno, médicos experientes desistiram de trata-lo, outros se recusaram e alguns até sugeriram que os amputasse.
Era impossível namorar porque a proximidade já fazia com que as garotas fugissem traumatizadas. Emprego só como desentupidor de fossas, e a presença dele triplicava o problema.
Pesquisando na internet se dispôs a buscar tratamento no rio sagrado da Índia, mergulhando ao lado de cadáveres; na Antártida congelara os pés a ponto de perde-los, mas o mau cheiro derretera o gelo e mantivera os seus pés intactos.
Na África buscara magia, mas não funcionara. Caminhara sobre brasas em vão, envolvera os pés em placas de concreto... Estava destinado a viver impregnado pelo fedor mortal que afastava moscas, insetos e seres humanos. Infiltrara desodorante nos dedos, esfregara rosas nos pés, já estava desistindo de viver quando um sábio apareceu assegurando a solução para os seus problemas.



Embevecido e emocionado prometeu no homem muito dinheiro caso obtivesse êxito em acabar com aquele chulé indesejável. Depositou metade da quantia prometida e o sábio lhe ofereceu um teste simples. Caso fosse útil garantiria o fim dos maus odores para sempre!
Achou estranho quando recebeu do sábio um pregador de roupas daqueles de madeira. Aquele era o teste?! O homem simplesmente tapou o seu nariz com o pregador por alguns minutos e ele deixou de sentir aquele bafo terrível das fossas do mundo inteiro!
Esperançoso depositou o restante do dinheiro e recebeu uma máscara cirúrgica descartável para utilizar diariamente. Aquele simples gesto resolvera a sua vida! Estava feliz e descuidado sem aquele mau cheiro que o envergonhava. Não percebia mais se as pessoas se afastavam ou despejavam até as tripas para fora na sua presença. Não saberia se o problema estava no seu nariz ou nos seus pés fedorentos. Isso não era mais importante, estava livre para sempre daquele problema aparentemente insuperável e passou a comemorar a própria existência como uma pessoa comum. Soluções simples, eficazes ou psicológicas? Quem dirá?

 



Marcelo Gomes Melo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento