Um amor completamente criminoso



Toda vez que eu lhe sorria, ela enrubescia. Quando eu me aproximava, ela enrijecia. Os seus olhos, sim, brilhavam, e isso eu via, mas ela escondia, fazia cara de brava e me divertia.
E se eu piscava o olho, ela quase corria. Eu me afastava e no meio da caminhada, virava e sorria, o que a fazia parar, ela se distraía. Toda vez que me falava, frieza ela fingia, no corredor, se eu a encurralava, ela se afligia, com um lindo olhar em chamas, me repreendia. E com os lábios entreabertos, ela nem percebia o quanto isso me abalava, nem sabia que me oferecia.
Para longe me empurrava, e quando me segurava, ela se perdia, o seu olhar no meu firmava, e eu estremecia; com a coxa entre as coxas dela, eu me atrevia. Correndo os riscos a abraçava, e ela não resistia, então a gente se beijava, o mundo não existia!
Se eu era dela, ela era minha, era o que acontecia. Nenhuma palavra se dizia, isso não carecia, ambos fomos atingidos, abalroados, incinerados, destruídos, destinados a um amor completamente criminoso.






Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento