Resquícios do amor



... E então haverá o tempo em que viverás
Aquela paixão arrasadora e cruel
Que te arrancará do chão tal e qual
A uma árvore milenar açoitada pelo vento
Das tempestades irredutíveis
Que arrancam as raízes e te atiram
Ao espaço, totalmente vulnerável e mortal
E essa paixão te fará abdicar da razão
E todos os pecados se farão necessários
Para aplacar a sede incomensurável
Que ela tem de sugar tudo que te seja caro
Até que com a alma desnuda
Perguntas ao espelho se farias tudo outra vez
Mesmo conhecendo o final corrompido
Em que tu, mocinho da película juvenil
Te transformas na vítima perfeita
O exemplo cabal de como acabam aqueles
Tolos sensíveis que acreditam no amor
Devastados, sem rumo, a imagem do fracasso
 E ainda assim responderás, só a carcaça inerte
Com um sorriso tétrico e tenebroso
Evocando todos os sons da tristeza condensada
Viciado nos açoites e torturas intermináveis
Responsável pela guarda do claustro da dor
Responderás, sinistro como todos os imbecis o são
Que repetirias a jornada em troca do sorriso
Mais falso, do afago mais frio, da mentira perfeita
Porque o teu Norte, agora, e para sempre
Te marcará como um irreconhecível
Retrato da vida arriscada de quem ousa
Desafiar as paixões, torturado para sempre
Por um resquício, que seja, de amor


Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento