Receita para formação de psicopatas



        O tormento é da cor dos meus olhos, o desespero corre pelo corpo como o sangue, cultivando um novo ser disposto a tudo nessa selva tecnológica em que escravos se julgam senhores por não precisarem usar o cérebro, escreverem e lerem o que desejam, eternizar a própria história através do aprendizado herético ou santificado, dependendo do modo de vida.
       O horror habita a retina, as mãos em forma de garras, calosas, duras como pedras demonstram resquícios de trabalho duro, pesado, ou reações violentas em bares de beira de estrada após desentendimentos causados por excesso de álcool e jogos ilegais.
       O corpo é gelado, com veias azuis correndo onde deveria haver sangue, e as reações são lentas, quase displicentes; há um atraso de alguns segundos para o entendimento do que foi dito, um computador processando com atraso por excesso de aplicativos e lixo digital.
     Um ser estranho há alguns anos, mas hoje em dia considerado comum, porque as pessoas agem de forma esquisita, o ego à flor da pele não lhes permite prestigiar nada além de a si mesmos, causando uma brecha enorme para que psicopatas, sociopatas e cientistas sadomasoquistas atuem livremente, misturando-se àquela turba de modernos que lutam pelos quinze minutos de fama.
    A maldade caminha entre os povos, radicalizando principalmente os que julgam como se fossem blindados, incapazes de cometer qualquer erro, portanto superiores. Esses acendem o pavio com as bombas que incendiarão a cidade, e ninguém, no meio do caos, terá segurança de apontar um culpado.




          É no meio dessa bagunça que um homem se transforma em monstro, e o monstro em um caçador de desvalorizados que serão transformados em cadáveres. E o círculo vicioso se reinicia, com mais acusações, mais culpados, mais vítimas, mais tormento e mais desespero. Nova receita para criminosos em potencial.



Marcelo Gomes Melo
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento