Virtudes naturais X Doutrinação artificial



A sensualidade é intrínseca à mulher, embora vivamos tempos em que artificializar a ponto de tornar bizarro o que era uma qualidade acontece rotineiramente.
A sanha de conquistar a atenção, e com ela a fama, e consequentemente dinheiro, leva ao excesso, que se transforma tranquilamente em vulgaridade. Hoje vale tudo para demonstrar beleza e liberalidade, enquanto ao mesmo tempo, paradoxalmente se luta por empoderamento, o que leva à indagação: é necessário liberdade para se submeter aos desejos machistas, modificando o corpo em nome de padrões de beleza que satisfaçam a população masculina que paga para obter tal satisfação?
O sensual flui discretamente, sem agressividade e sem a percepção por parte de quem exala essa atração inevitável. Há infindáveis maneiras de ser sensual, portanto, a receita ditada pela mídia equivale a do homem que exibe bens materiais como arma de conquista.
O mundo anda confuso, o que sempre foi natural quer ser substituído por criações artificiais, invenções genéticas que, polemicamente daria um controle quase que divino ao ser humano, levantando a questão preocupante se essa mudança contribui fortemente para o fim da humanidade como a conhecemos.
Socializar em tempos de redes virtuais ficou mais raro, e o comportamento de grupos interagindo ao vivo parece falso, com cada um tentando ostentar, ressaltar seus pontos fortes com o intento de ganhar status, e com ele conquistar benefícios, sejam quais forem.
É por isso que, através dos tempos as virtudes naturais apaixonam e são cantadas em prosa e verso, mantendo a originalidade das coisas e procurando defender o que é nato do que é de plástico, construído falsamente, mudando a percepção e os rumos da existência.
Apesar dessa luta do século natural versus artificial, a sensualidade feminina permanece nas mulheres reais, comuns, que encantam sem perceber porque não buscam modelos para copiar, e mantém a personalidade intacta, livre das doutrinações que investem profundamente para criar um só tipo de criatura, um padrão nada atraente a longo prazo.



Marcelo Gomes Melo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento