A longa noite desmemoriada



Tristeza, sofrimento e dor
Espancam a sua porta
Noite após noite
E na madrugada, sozinho
Com a sua armadura alcoólica
Você tenta resistir às lágrimas
Que insistem em desafiar
Os seus olhos que gostariam de
Permanecer secos
Uma dose mais forte abafará
O soluço e a angústia linear
Alcançará o seu pico
Na alta madrugada
Só que, resiliente
Você seca a garrafa
E promete a si mesmo
Sobreviver às cicatrizes
Enquanto o sol, como um padre
Anuncia mais um dia



Em que você, aquecido
Parecerá alguém normal
Entre as misteriosas almas
Que caminham fingindo sorrisos
E felicidade falsa



Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento