Pseudo-Psycho



              Atrás dos ataúdes atolados na lama e ensopados por uma garoa gelada, insistente, constante, persistente em sua vontade de matar, por bronquite ou de tédio, há uma figura brilhante, escondida. Fulgurante mesmo, bastando querer.
          Essa figura é metódica, estoica, quase a imagem do desinteresse, fria em suas atitudes e completamente desligada do mundo. Tudo em seu comportamento difere de sua aura maravilhosa. Ela dedica-se mais ao plantio do que à colheita, talvez por escolha própria, talvez cumprindo ordens superiores.
          O terreno baldio desemboca em uma rampa enlameada que encaminhava a lugar nenhum. Algumas árvores esquálidas, antigas e cinzentas enfeavam em vez de enfeitar aquela cripta a céu aberto, aquele indício de morte patética, risível e apavorante.
          Dentro dos ataúdes, no escuro do espaço confinado, diversos psicopatas nojentos, restos mortais de seres indomáveis, maldosos, piratas amotinados assaltantes de ideias, de sonhos e comportamentos honrosos, hordas de canibais financeiros com dentes quebrados por moedas de ouro, horríveis monstros empalados como punição por sua existência inútil, moribundos enquanto viviam, protegidos enquanto mortos.
          Sua proteção advém do calor no interior do caixão, coisa que não precisam, mas que a figura brilhante não possui. Estão secos sob a madeira de seus paletós iguais, produzidos em linha, da mesma forma que seus pensamentos amaldiçoados.



            O porquê de a guardiã dos ataúdes não espalhar sobre o local maldito todo o seu brilho, energizando o espaço e lhe modificando o aspecto tem muito a ver com a própria responsabilidade: não oferecer àqueles diabos chance nenhuma de fugir da tortura infinita merecida, tendo em vista as atitudes cruéis e insensíveis. São almas condenadas por tudo de ruim que representaram em vida advogados, jornalistas, políticos, assassinos, pedófilos, estupradores...
          A figura escolheu retrair a sua luz, apagar o seu fervor, distanciar os seus desejos, existir em total abstinência apenas por uma causa. Uma causa maior, mas que poucos cumpririam sem nada a ganhar, mesmo tendo tanto a oferecer.
          Quem, afinal é o psicopata? O que fez e morreu, ou quem abdicou dos seus próprios prazeres para manter o sofrimento perpétuo aos insanos merecedores? Quem sorri enquanto o violino toca? Quem pune a quem? Quem?!



Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento