EasyHits4U

EasyHits4U.com - Your Free Traffic Exchange - 1:1 Exchange Ratio, Business social network. FREE Advertising!

Da ironia das coisas (música para velórios)


 

          Era linda, a danada. Elogiada por toda a família desde bebê, deixava a mãe enlouquecida de felicidade. A mamãe representava o tipo que, reprimido, não alcançara êxito em realizar os próprios sonhos; casara cedo e logo tivera filhos, então elegera a mais nova como a joia da coroa. Decidira realizar tudo o que não conseguira na pele da filha maravilhosa e linda que tivera, e nada nem ninguém a impediria.
          Desde pequena alardeava aos quatro ventos que a criança seria bailarina. Na missa de domingo ficava com a menina, de mãos dadas em pé à porta da igreja, com todos os dentes à mostra exibindo a filha como animalzinho, toda inflada de orgulho com os elogios, até que o padre a tocava pra casa. O marido nada dizia; de vez em quando a olhava de esguelha, fungava e voltava a atenção aos seus afazeres.

          A mãe sem noção logo decidiu que, além de bailarina, a filha teria que ser pianista, obrigando-a a estudar desde muito cedo. A menina foi crescendo sem direito a brincar como as outras crianças; a mãe a obrigando a estudar canto, dança, piano e se apresentar nas quermesses da igreja, na escola e em casa, para as visitas.
          Logo passou a ser levada a programas de calouros, palanques de candidatos políticos, concursos de misses... Com dezesseis anos fez o teste do sofá para conseguir um lugar de figurante em uma novela. A mãe quase a doou para o diretor de elencos, esperando que fosse um pequeno preço a pagar pela fama.

 

          Deu tudo errado. A garota participou como figurante. No meio de umas das cem mil pessoas em um massacre de um filme de época. A mãe mostrava a cena para todos, mas nem ela conseguia enxergar a filha no meio do pó, do sangue e dos gritos daquela gente. Isso não foi o pior. A filha da velha engravidou. Quando soube, o pai teve um infarto. A mãe correu para o estúdio em busca do diretor de elencos, suposto pai, mas o homem havia viajado para o Quirguistão sem plano de volta.

          A moça, agora grávida, deixou aflorar o ódio que carregava encubado desde pequena quando a mãe surgiu com umas ervas malditas e uma folha de instruções de como agir para praticar o aborto. Com o pai internado, aproveitou para colocar um plano em ação: colocou veneno de rato na comida da mãe e livrou-se do tormento de toda uma vida.
          Quando soube da morte da esposa, o pai deu um arremedo de sorriso, um suspiro longo, e em seguida enfartou novamente, dessa vez foi fatal. O seu último pensamento foi se iria encontrá-la no inferno ou ainda teria chances no céu.

          No velório dos pais ela cantou. Tocou piano e cantou. Todos se emocionaram e aplaudiram tresloucadamente, no final. Ela fora a estrela do velório. Todos os presentes se esqueceram dos mortos e passaram a homenageá-la, pedindo até autógrafos. Nunca se sentira tão contente e confiante! Agora sim, se achava uma estrela. Sozinha, esperando um bebê, mas uma estrela!
          Ela teve que vender a casa dos pais para sustentar-se, e ao filho, enquanto tentava conseguir emprego como artista. Nada. Tudo o que conseguia era dançar em shows de forró universitário e fazer coreografia em bailes de peão de boiadeiro em troca de cachês que variavam de meio a um salário mínimo.

 

          O menino foi crescendo nesses ambientes, vendo a mãe desesperada em busca da fama, sem conseguir, e prometeu a ela que seria famoso e rico para comprar uma mansão e viverem em festa. Emocionada, comprou para o rapaz um tênis de basquete americano, uma camiseta regata dois tamanhos maiores do que ele, uma calça de cintura baixa tão larga que o fazia desaparecer dentro dela e ficava caindo, deixando a cueca à mostra. Para completar, uns óculos escuros e garoto sentiu-se pronto para tentar a vida como rapper.

          O que a mãe não contava é que nesse caminho o garoto se envolveu com gangues, adquiriu vício em drogas e virou assaltante, batedor de carteiras, político principiante. Alucinado, o garoto roubou todas as economias da mãe, que eram para colocar silicone e aplicar botox. Gastou tudo com drogas e, vítima de overdose, morreu.

          Novamente apavorada, ela se culpava pela morte do filho, achando que era castigo por ter assassinado a própria mãe. Agora, em plena meia idade, sem ter alcançado sucesso algum decidira enterrar o filho e trabalhar como garçonete ou auxiliar de limpeza. O sucesso não era para todos, ficara óbvio finalmente.
          O enterro do filho foi tão lindo quanto o dos pais. Ela resolveu cantar pela última vez em homenagem ao filho. E o fez de maneira brilhante, misturando guaranias com rimas de rap, música sacra com sertanejo, forró com funk carioca. Foi uma apresentação fenomenal! Um dos amigos do filho morto gravou a tudo no celular; as pessoas chorando, aplaudindo, dançando... Na hora do reggae caipira até acenderam cigarros de maconha. Era o enterro que entraria para a história!

 

          O vídeo postado no youtube tornou-se viral, e a mãe do morto, ainda de vestido preto e com a maquiagem borrada foi contactada pelo diretor de uma gravadora internacional com a oferta para lançar imediatamente um disco chamado “Até os mortos dançam”. Ao chegar em casa o telefone tocou. Um convite para estrelar a novela das onze da noite “O defunto palrador”. E empresas funerárias aos montes oferecendo cachês de seis dígitos para que ela se apresentasse em velórios de famosos, com vídeo clipe e divulgação.

          A outrora menina prodígio da mãe, assassina problemática e sem sorte agora era capa de revistas de celebridades, com seu vestido roxo agarradinho combinando com a Ferrari da mesma cor; saiu nua em revistas masculinas com poses fantásticas em cemitérios. Gravou vídeos para a internet nos quais saía nua de um caixão, com o corpo coberto por mel de abelhas, cantando o hit do momento “veneno de mãe”.

 

          Esse caso fantástico foi eternizado em uma autobiografia intitulada “Da tragédia à glória”. Em seu túmulo nas profundezas dos infernos, a mãe dela se revirava, tentando mostrar os dentes de felicidade para o capeta.

 
Marcelo Gomes Melo
Criptografando com a sequência Fibonacci


 

A Sequência Fibonacci é uma sucessão de números que, misteriosamente, aparece em muitos fenômenos da natureza. Descrita no final do século 12 pelo italiano Leonardo Fibonacci, ela é infinita e começa com zero e um. Os números seguintes são sempre a soma dos dois números anteriores. Portanto, depois de zero e um, vêm 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34…

Ao transformar esses números em quadrados e dispô-los de maneira geométrica, é possível traçar uma espiral perfeita, que também aparece em diversos organismos vivos. Outra curiosidade é que os termos da sequência também estabelecem a chamada “proporção áurea”, muito usada na arte, na arquitetura e no design por ser considerada agradável aos olhos. Seu valor é de 1,618 e, quanto mais você avança na sequência de Fibonacci, mais a divisão entre um termo e seu antecessor se aproxima desse número.
          No livro O código da Vinci, de Dan Brown, a sequência é utilizada para criptografar uma mensagem por parte de um cientista para o personagem principal, vivido no cinema pelo ator Tom Hanks, o que, de certa forma chamou a atenção para o seu uso.

 

          A sequência ou a espiral de Fibonacci pode ser exemplificada de diversas formas:

CONCHA DO CARAMUJO

Cada novo pedacinho tem a dimensão da soma dos dois antecessores

CAMALEÃO

Contraído, seu rabo é uma das representações mais perfeitas da espiral de Fibonacci.

ELEFANTE

Se suas presas de marfim crescessem sem parar, ao final do processo, adivinhe qual seria o formato?

GIRASSOL

Suas sementes preenchem o miolo dispostas em dois conjuntos de espirais: geralmente, 21 no sentido horário e 34 no anti-horário.

PINHA

As sementes crescem e se organizam em duas espirais que lembram a de Fibonacci: oito irradiando no sentido horário e 13 no anti-horário.

 

POEMA CONTADINHO

Acharam o “número de ouro” até na razão entre as estrofes maiores e menores da Ilíada, épico de Homero sobre os últimos dias da Guerra de Troia.

A BELEZA DESCRITA EM NÚMEROS

A “Proporção de ouro” aparece tanto em seres vivos quanto em criações humanas. Na matemática, a razão dourada é representada pela letra grega phi: φ.

PARTENON

Os gregos já conheciam a proporção, embora não a fórmula para defini-la. A largura e a altura da fachada deste templo do século V A.C. estão na proporção de 1 para 1,618

ARTES

Esse recurso matemático também foi uma das principais marcas do Renascimento. A Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, usa a razão na relação entre tronco e cabeça e entre elementos do rosto.

AS GRANDES PIRÂMIDES

Mais um mistério: cada bloco é 1,618 vezes maior que o bloco do nível imediatamente acima. Em algumas, as câmaras internas têm comprimento 1,618 vezes maior que sua largura.

OBJETOS DO COTIDIANO

Vários formatos de cartão de crédito já foram testados. O que se sagrou favorito do público têm laterais na razão de ouro. Fotos e jornais também costumam adotá-la.

ROSTO

Dizem que, nas faces consideradas mais harmoniosas, a divisão da distância entre o centro da boca e o “terceiro olho” pela distância entre esse ponto e uma das pupilas bate no 1,618.

CORPO

Se um humano “mediano” dividir sua altura pela distância entre o umbigo e a cabeça, o resultado será algo em torno de 1,618.

MÃOS

Com exceção do dedão, em todos os outros dedos as articulações se relacionam na razão áurea.

          A brincadeira abaixo é decodificar a mensagem que utiliza a sequência Fibonacci, identificando-a. Para isso basta atribuir um número para cada letra do alfabeto, começando do 1(um); feito isso, basta substituir os números por letras até descobrir todas as frases. Exemplo:
A=1, B=2, C=3...
          Ah, para tornar a brincadeira um pouco menos fácil, a frase estará em inglês e deverá ser traduzida assim que descoberta. Uma dica importante que tornará a transcrição ainda mais tranquila: são versos de uma canção de uma famosa banda de rock and roll dos anos 70, conhecida em todo o mundo. Prontos? Lá vai:


“10.946   34   8   4.391   8          55 6.765          1          233   1   5   111.393         

46.368   34   987          55 6.765          6.765   17.711   4.181   8,          1   233   233

10.946   34   1   10.946          21   233   55   10.946   10.946   8   4.181          55   6.765

21   987   233   5,          1   610   5          6.765   34   8          55   6.765

2   17.711   111.393   55   610   21          1          6.765   10.946   1   55   9.181   46.368  

1   111.933          10.946   987          34   8   1   28.657   8   610".

          Substitua os números pelas respectivas letras e obtenha o texto completo. Em seguida descubra de quem são os versos, e se quiser, traduza para o português. Boa sorte!


Alfabeto:  
A-1 B-2 C-3 D-5 E-8 F-13 G-21 H-34 I-55...  

Perceba que a próxima letra será a soma dos dois números anteriores.

Marcelo Gomes Melo                                                                        
 

Para ler e refletir

A permanência sob os temporais           Eu quero permanecer sob a chuva, o mundo está tremendo como os meus sonhos. Aturd...