Só as mães sabem...

 
         Há um sistema único de confiança que transpõe todo e qualquer limite pré-programado por controladores das sociedades existentes. Algo que, por ser intrínseco, foge às normas de segurança definidas pelo frio na barriga ou pelo temor do desconhecido.
          Esse sistema abençoado acopla-se à natureza com desenvoltura, acresce beleza à paisagem e ternura ao caos. Não se pensa sobre ele. Não é algo que se discuta. Psicólogos discorrem a respeito e religiosos se impressionam e dão graças; todos reconhecem e agradecem.
          Quando todo perigo é reduzido a nada e toda necessidade é uma promessa de satisfação. Inquietação se transforma em tranquilidade, mares bravios em calmarias e tormentos em sonhos.
          O poder de amainar tempestades e consolar terrores, transferindo sensações protetoras e calmantes em ondas, eternizando os momentos através de uma vida inteira! E volta a acontecer repetidamente, em qualquer lugar do mundo, com qualquer ser humano de qualquer classe social, em qualquer tempo. Não importam as convicções, as filosofias, a sensibilidade ou a ausência dela; esse sistema de confiança atinge a todos pelo menos uma vez durante a própria existência. E permanece para sempre.
 
 
         
             Estamos nos referindo ao amor de mãe. Quando nada é maior ou mais poderoso e garante a luz que reflete nas estrelas, e o bebê é capaz de dormir tranquilo nas condições mais adversas. É a condensação da paz ilimitada. Por que isso acontece? Só as mães sabem...
                                           Marcelo Gomes Melo

Um comentário:

  1. Olá Marcelo
    Maravilhoso seu texto.
    Posso lhe dizer que, realmente essa relação, ninguém explica. Minha relação com meu filho e com minha mãe é inexplicável. Só o Amor na sua mais profunda concepção pode chegar perto de uma explicação.
    Bjs e parabéns pelo post.
    Lúcia

    ResponderExcluir

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento