“Futebol: a riqueza não combina com o povo”

 

          A seleção brasileira de futebol não existe mais. Não a do povo. Não a romântica, formada por jogadores que vestiam o uniforme pela honra, pelo amor e reconhecimento. Agora seleção é algo privado, particular, e os donos têm por objetivo preencher os bolsos, as contas bancárias e qualquer reentrância em que caibam notas de dinheiro, incluindo aí peças de roupa íntima.

          Esse fenômeno faz com que os astros, jogadores, com muita justiça pensem apenas no som da antiga caixa registradora ao serem requisitados para defendê-la, afinal são os principais atores do evento e os que menos recebem. Cercados por sanguessugas de todos os tipos, que se utilizam da ausência de discernimento de garotos mal formados intelectual e moralmente, aprendem a decorar um discurso do qual não têm a menor noção: amor à pátria quando vivem num limbo, entre países, desconhecendo a própria língua e costumes e muito mais a língua e os costumes dos locais em que vivem e trabalham; desapego financeiro: o que é paradoxal, já que todos faturam alto em cima do trabalho deles, de parentes distantes a jornalistas esportivos oportunistas, direta ou indiretamente.

          O futebol cresceu além das expectativas através dos anos, transformando-se de alegria do povo em alegria dos políticos, e agora em alegria da mídia, que torce, contorce e distorce situações, sempre em proveito próprio, porque o interessante é destacar as notícias de forma a lucrar com elas; isso acaba manipulando informações numa guerra de interesses sem fim.

          E o torcedor? Não os “organizados”, que são chamados assim  porque faturam bastante usando o nome do clube, licitamente ou não, mas o comum, que costuma ir aos campos apenas por lazer com a família, sem correr o risco de ser linchado por usar a camisa do time do coração; aquele que não vai ao aeroporto bater no treinador e muito menos em jogador. Esse está em franco processo de extinção. Não se encontra mais torcedores de verdade porque o futebol não é mais um espetáculo para o povo. O futebol é um negócio extremamente lucrativo, uma máquina de criar ricos! E riqueza não combina com o povo, não é mesmo?

 

                              Marcelo Gomes de Melo

Para ler e refletir

À procura de mim          Estou sempre me procurando para argumentar comigo mesmo, mas nunca me encontro. Estou sempre e...

Expandindo o pensamento