Para conhecer a alguém profundamente é preciso agir com suavidade



          Não me venha com meras expectativas, nem pense que sentimentos simplórios, fabricados pela necessidade momentânea satisfazem a corpos e almas completamente. O que acontece é que os amantes lidam com as próprias expectativas como se fossem as do outro, e tomam decisões baseando-se no que gostariam de ter para si, e não verdadeiramente no que a pessoa amada deseja para sentir-se feliz.

          Falar em fazer feliz não é considerar realmente os caminhos do ser amado para encontrar a felicidade. Geralmente acredita-se que fazer a alguém feliz é fazer-se feliz a si próprio, o que está longe da realidade. É preciso sacrifício para fazer a alguém feliz! E sacrifício é arte. Não quer dizer que ao fazer a alguém feliz, automaticamente se alcança a felicidade, Isso exige estoicismo. Suportar a própria infelicidade e o próprio sofrimento, aceitando-os como requisito para a felicidade de outra pessoa é mágica. Quem pode ser apontado com esse dom? Jesus Cristo não vale, é óbvio.

          A construção da felicidade se dá passo a passo, como caminhar por um labirinto no escuro, confiando apenas no tato, e em algum momento, em alguém como guia. E essa posição se alterna, a seu tempo. Criar mecanismos que possibilitem felicidade compartilhada é a técnica, a grande sacada.

          É preciso lembrar, infelizmente, que os seres humanos, quando conseguem tal raridade, são mestres em destruir rapidamente esse estado de amor impregnado, através de todos os questionamentos. A necessidade irrisória de questionar os porquês desse sentimento superior, criando senões que se transformarão em dúvidas e em seguida ausência dessa sensação maravilhosa.

          Para minimizar o equívoco as pessoas deveriam se policiar constantemente, procurando conhecer umas às outras nos mínimos detalhes. Não com desespero, impulsivamente; mas de maneira cuidadosa, sutil, respeitosa. Ajudando-se a suplantar medos com olhares de confiança; conversando entre multidões com olhares silenciosos, misturando a fé implícita nos toques suaves. Provavelmente essas sejam fagulhas que propiciem conhecimento mútuo, e esse conhecimento traga a felicidade indiscutível, plena, insofismável.

          Como diz a canção: para conhecer a alguém profundamente é necessário agir com suavidade.
 
                                              Marcelo Gomes Melo
 
 

2 comentários:

  1. Olá caro Marcelo, penso que hoje em dia tudo é muito superficial, não existe tempo suficiente, não existe paciência suficiente para conhecer alguém profundamente, ou pelo menos assim pensam as pessoas. Tudo é fútil, volátil, hoje se ama, amanhã se odeia. Não há diálogo, querem estabelecer compromissos sem laços. Em minha opinião isso tudo justifica porque temos um número grande e crescente de divórcios, não há mais amor, há apenas um objeto para se mostrar à sociedade, que assim exige dos indivíduos, essa máscara de que somos perfeitos. Grato por compartilhar, um abraço meu caro!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amigo Marcelo.
    Certamente essa é a primeira estratégica a se utilizar ao ter contato com as pessoas, ser afetuoso ao trato, pois ser ríspido deixam as pessoas assustadas, quando tratam com carinho as pessoas se desmontam, deixando se levar aos seus encantos e se consegue tudo com suavidade.
    Não precisar ser pegajoso, mas saber escutar o outro contribui para um relacionamento próspero e duradouro. Só temos que fazer algumas concessões e isso não é pedir muito quando se quer realmente que der certo
    Um grande abraço.
    ClaraSol

    ResponderExcluir

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento