Desvairados



         Colocam todas as expectativas em um só número na roleta. Expandem as reações ante estranhos ao ponto de parecerem patéticos. Dizimam convicções e abandonam o front para atacar como indígenas nos filmes americanos constantemente, entregando de corpo e alma todas as qualidades que tenham, sem medo de serem felizes ou de despencarem sem retorno na fornalha da dor.
          Apostam todas as posses sem garantias, não importando nada além das emoções intermediárias, enormes, que interligam os meios aos fins. Perder não é sequer uma hipótese, porque derrota é vitória, e vitória é sinônimo de coragem para arriscar.
          Todas as referências para os que vivem para a felicidade e são felizes para viver. Não há meio termo. A zona falsamente segura do medo, da autopreservação equivale à morte em desonra, ao limbo habitado por aqueles que não sentem, ou que escondem quaisquer sentimentos.
          São esses os desvairados, amontoados em seus desejos, sobreviventes aos sofrimentos, marcados pelas ações audaciosas indefinidamente. Estafetas do amor, encanadores da luz, subalternos da ferocidade indescritível do que que é amar acima das consequências.
          Esses são os indecifráveis habitantes do espaço acalorado no mapa dos seres viventes. Sem medo, sem coerência, sem armaduras. Cem por cento sonhos.


Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Relato poético de um detetive de homicídios             Desmaiou ao ver aquela compilação de vidas extintas exposta no mesmo loca...

Expandindo o pensamento