É tétrico. E continua.


Morreram. Felizes e ignorando o valor das informações que carregaram em seus cérebros tortuosos.

Faleceram. Não sem antes espalhar pelo mundo os dogmas fúteis que lhes instigaram a crer como um zumbido constante em seus ouvidos que logo ficaram moucos. E os fez aprender a comunicação não verbal mesmo que estivessem de costas, comandados pelo tremor da terra quando se aproximavam sorrateiramente. Um trem descarrilado abalando as estruturas de aço dos grandes edifícios que guardam carneiros vestidos como lobos, agindo como lobos, destroçando a carne uns dos outros e massacrando ovelhas, fazendo-as acreditar que um dia chegariam ao status de lobos.

Daí a traição. A falsidade explícita e as atitudes covardes proliferaram por culpa deles, e assim continua até hoje. Lucrar com a desgraça é mais importante do que acabar com a desgraça. Uma multidão de desgraçados nojentos caminhando a esmo, ouvindo e multiplicando bobagens e canalhices, deixando um rastro inacabável de sangue por onde suas teorias nocivas e informações malditas passam.

Lugares inóspitos, hospitais sem médicos e sem macas, salas de aula vazias, sem alunos e sem professores, igrejas destruídas e cultos inexistentes por falta de fiéis e de guias espirituais verdadeiros... Apenas os shows de axé e sertanejo americanizado lotados por tolos que expõem seus corpos enquanto se distanciam cada vez mais de suas almas escuras.

Morreram. Isso nada significa. Logo surgirão outros, piores dos que os que se foram porque sabem ainda menos e creem ainda mais. Há uma névoa escura em torno do planeta. A culpa não é do planeta.

Não há espaço para reles destruidores, não há como salvar miseráveis nem com toda a expiação que os acometesse em três vidas!

Tudo é tétrico. E continua.
 
Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Relato poético de um detetive de homicídios             Desmaiou ao ver aquela compilação de vidas extintas exposta no mesmo loca...

Expandindo o pensamento