As palavras de amor



As palavras de amor nunca foram tão usadas fora de contexto! Banalizando o sentimento por trás da voz que as pronuncia com intenções mesquinhas, inúteis, tornando-as mortais.
          Ignorantes todos os que proclamavam inconscientemente o que desconhecem, em nome de coisas fúteis e sem substância, que os enganam mais do que pensam enganar.
          As palavras são agulha e linha delineando o que o pensamento constrói e destrói instantaneamente. Se mal-usadas imobilizam a cadeia da vida individual prejudicando a coletiva. E o que é pior: matando a palavra, destituindo-lhe todo o poder que lhe é devido em nome da total falta de inteligência afetiva, sem contar o intelecto machucado.
          A população cresce afetada pelos dissabores inerentes ao círculo no qual convivem, decaindo vertiginosamente em termos de qualidade e sensibilidade.
          A luta, portanto, centra-se na recuperação das máquinas internas que consertam a dificuldade de viver, aguçando a percepção para o relacionamento humano tome um rumo correto, e o cérebro construa um vocabulário compatível com as situações, respeitoso e eficaz, que mantenha todas as palavras de amor em uma redoma especial para que sejam usadas com significância, apenas quando necessário, valorizando-as ao máximo. Desse jeito elas não se diluem, não mais são usadas como mera formalidade nem com intenções vagas e desonestas.
          Como alcançar a esse objetivo é outra coisa.



Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Carta de repreensão a uma cidadã omissa Maria Domitila você viu a sacanagem. Você presenciou de perto a sordidez humana. Ao calar-...

Expandindo o pensamento