A queda do último bastião masculino

          O último bastião masculino está caindo! A arte de se reunir em torno de diversas cervejas para discutir futebol sem uma presença feminina para atrapalhar o desenvolvimento do papo.
          Costumeiramente as mulheres decidem a maioria das coisas da vida do casal; a cor da sala de estar, o formato e a qualidade dos móveis, talheres, pratos, a decoração e quando é possível reunir o pessoal para assistir o jogo. Definem a maioria dos planos para os filhos e até a forma como os seus homens devem se vestir e se comportar.
          Até aí tudo bem, poucos se rebelam contra essa dominação, por ser mais satisfatório manter a paz familiar e evitar se tornarem os vilões. Os que se declaram contrários serão abandonados, crucificados e até determinados como péssimos seres humanos, acabando à margem do processo social, sem conseguir companhia feminina que não seja remunerada.
          As mulheres, mesmo tendo todo esse poder de comandar a família e influenciar em todas as decisões, ainda não parecem satisfeitas, e reclamam aos quatro ventos que fazem tudo sozinhas e não são reconhecidas, mas não estão preparadas para admitir que a possessividade, a obsessão pelo domínio completo, tanto em casa quanto no trabalho termina por isolar. É o que acontece a homens e mulheres dispostos a obter controle a qualquer custo.




          Os homens tinham uma válvula de escape: discutir futebol bebendo cerveja. Aquele é o reino masculino que afasta o estresse e os problemas afetivos. Discutir futebol brutalmente,, em voz alta, dando porrada na mesa, sacaneando a quem perdeu sem piedade, retrucando pesadamente, brigando... Depois bebendo e esquecendo tudo. A amizade permanecia. Discutir futebol é libertador!
          Aí as mulheres decidiram que também gostam de futebol e têm o direito e o dever de debater com os homens. E você liga a televisão e tem sempre uma modelo bem maquiada repetindo conceitos que decorou como um mero papagaio, tentando nos convencer de que são apaixonadas por futebol desde pequenas.
          Apaixonadas por futebol desde pequenas?! Mostrem-nos as marcas nas canelas, nos tornozelos, nos joelhos! Contem-nos sobre as surras que tomavam dos pais por terem brigado na rua! Onde está aquela camisa velha, mofada do seu time de coração, guardada mesmo suada em algum baú no porão?



          Nesse ponto poderão argumentar com ódio e rudeza: “isso é puro machismo, as mulheres têm direito de comentar futebol tanto quanto qualquer homem!”; realmente elas têm, não há discussão sobre isso. Tanto podem fazer que o fazem, e devem fazê-lo! O problema é que uma mulher infiltrada em um grupo masculino discutindo futebol é como um homem em meio a uma reunião feminina para falar sobre novelas. É acabar com a última opção de exercer o instinto de ser ogro, porque homem algum poderá discutir com uma mulher da mesma forma que o faz com outro homem. Nada de atitudes belicosas, nada de murros na parede nem tapões nas costas, nada de xingamentos e acusações, porque mulher não sabe perder. Ela chora quando o seu time toma um gol, mesmo que tenha 89 minutos para recuperar. E usará contra nós o fato de ser mulher se estiver perdendo uma discussão; vai chorar e ficar emburrada, se for preciso, e isso nos faz perder a parada antecipadamente, tornando impossível aliviar o estresse na pancada.
          Uma jornalista europeia defendeu recentemente a tese de que o homem europeu está perdendo a masculinidade, o poder de defender suas fêmeas agindo, caso necessário, de maneira violenta. Então, segundo a argumentação dela, estrangeiros de países em que a mulher não tem valor ou voz aportavam na Europa para estupra-las e espancá-las sem que os homens de seus países pudessem defendê-las por agirem e pensarem como mulher. Inclusive os políticos.
          É preciso pensar nessa possibilidade. De as mulheres oprimirem tanto aos homens que eles percam a sua essência protetora. Homens se deixando anular a ponto de parecerem mulheres, gentis em excesso, incapazes de defendê-las e protegê-las como se deve em determinadas situações.



          Logo haverá homens promovendo chás de bebês, dobrando roupinhas e ouvindo as conversas de suas mulheres, sentados no sofá com os joelhos juntinhos, reprimindo o instinto básico necessário que antes se diluía nos esportes; formando caráter e respeito pelas mulheres sem perder a masculinidade. Algo a se pensar com urgência!




 

Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Relato poético de um detetive de homicídios             Desmaiou ao ver aquela compilação de vidas extintas exposta no mesmo loca...

Expandindo o pensamento