Envelopar, selar e despachar






          Eu tenho as mãos firmes costumeiramente, mas nesse momento, sentado à mesa do meu escritório, que é também a cozinha, sob essa mesa de madeira marcada por talhos de facão, manchas de azeite e fundos de copos e canecas de vinho, elas tremem ligeiramente, agarradas à caneta como se fosse o meu próprio coração, preenchendo a folha branca com letras legíveis formando palavras instáveis como caminhões carregando produtos inflamáveis para orações em sequência distinta, frases que demonstram sentimentos fortíssimos, períodos completos que exalam instintos, que são pedaços de mim.
          Um computador me observa no canto, surpreso por não ser utilizado em tempos de domínio tecnológico e velocidade na entrega do que se quer dizer. Ele não tem ideia do quanto algumas coisas necessitam se atrelar à antiguidade para reafirmar a importância eterna que têm. E que caras como eu valorizam a eternidade de sentimentos e atitudes como à própria vida.
          Sei que, quando seguro com ambas as mãos, um tipo de cristal raro que precisa ser preservado a qualquer custo, manuseio com extremo cuidado até trazer colado ao peito, com a certeza de que, aí sim, o aperto pode ser com força total, porque se torna indestrutível entre os meus braços protetores.
          Não importa ao tempo que vai levar até chegar em suas mãos, banhar os seus belos olhos com minhas ansiedades e desejos compartilhados uma única vez e apenas com você, o tesouro de uma vida enlouquecida em mundo paralelo habitado apenas por nós dois.




          Assinar como o fiz em seu corpo, tomando conta de tudo e registrando a minha posse perene. Envelopar como o fiz com a sua alma dentro da minha, para coexistir instantaneamente, dois seres em um só, pensando juntos, amando juntos, vivendo juntos. Lamber cuidadosamente, de cima a baixo, de baixo a cima, lenta e constantemente, me certificando de umidificar totalmente a ponto de ficar deslizando, colando, pronto para terminar as ações maravilhosas, concluir com maestria, mais uma maneira de eternizar sem pressa alguma.
          E agora despachar, fazer chegar ao seu âmago sem restrições, fazer com que sinta cada polegada de amor escrito e descrito com eficácia e paixão contumaz. Após a entrega, dividir com você o conteúdo, aliviado poder observar a sua reação feliz, o reacender em seus olhos e do seu corpo, a resposta que virá de maneira idêntica, igualmente eterna, impossível de esquecer e de deixar de querer.


Marcelo Gomes Melo


 



Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento