Mais uma do fim do mundo



         Mariana entrou na fonte límpida com seu vestido de festa, com seu decote de sonhos, e eu de fora, observando embasbacado, com as mãos nos bolsos da calça, o paletó escuro aberto... Naquele instante eu era Mastroianni e ela Ekberg em um filme de Fellini.
          A água pura molhava os seus cabelos desfazendo as belas mechas douradas, e o prazer que ela demonstrava me atingia em cheio, correndo por minhas veias e instalando em meu corpo sensações inimagináveis.
          A minha alma flutuava e o perfume que exalava de Mariana formava nuvens em torno de mim, odores oriundos da natureza, verdejantes, oxigenados, me encaminhando para uma luz incrivelmente brilhante, atrativa, que me instigava a ofegar, ansioso, nadando a esmo, no limbo, sem jamais alcançá-la.
          As gotas de suor que pingavam da minha testa se perdiam no ar, transformando-se em uma enxurrada apavorante, correntezas e cachoeiras, e depois, lama!
          Um estrondo monumental me fez acordar em minha cama, nadando no seco com as pernas apertadas. Era imperativo correr para o banheiro! As gotas que se transformavam em cachoeira...
          Desesperado parti para o banheiro, torcendo para chegar a tempo! Um, dois, três passos, a porta aberta e... AHHHHHHH! Consegui! O xixi salvador que, apesar de ter interrompido o melhor sonho da minha vida também me proporcionou a fuga da desgraça fatal.



        Após o estrondo e o alívio imediato, com o sorriso dos satisfeitos olhei pela janela, feliz. O que enxerguei gelou o meu coração com a velocidade de um “uai”. Uma enxurrada de lama descia assustadoramente em direção da minha casa como u tem desgovernado.
          Abandonei o banheiro e sai correndo, tentando avisar, aos berros, o desastre que estava em andamento. De um filme maravilhoso de Fellini para um filme de terror de Wes Craven. Da lama ao caos. O Brasil sofrendo o terror diário, repetitivo, tanto quanto o terror que atingiu à França ao mesmo tempo, em proporções gigantescas mesmo que com motivações diferentes.
          Mais uma do fim do mundo, machucando a autoestima nacional e exterminando a crença de que é possível recuperar-se dos desatinos, perdendo a fé um pouco mais. Mas o brasileiro nasce com fé intrínseca ao seu DNA, isso não se pode discutir!



Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

Relato poético de um detetive de homicídios             Desmaiou ao ver aquela compilação de vidas extintas exposta no mesmo loca...

Expandindo o pensamento