No espaço, entre as estrelas



Os meus beijos viraram os seus beijos
Durante toda a vida
E já não sei distinguir os seus afagos
Dos meus
Nossas brigas alternam argumentos
E nossas pazes, posicionamentos
O chão me falta ao mesmo tem
 Em que o ar lhe falta 
Isso nos faz habitar um lugar 
Entre a terra e o mar 
No espaço sideral entre as estrelas 
Cercados pela escuridão que congela 
Os corpos e nos leva além de todos 
Os destinos. 
Não há fim. Nunca acaba. Não há opções. 
Certifique-se de que sabe antes de começar. 
Não há fuga. Só arrependimentos em série.




Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento