A mãe do guarda é mito!



          A mãe do guarda é legal, a mãe do guarda é letal, a mãe do guarda é fatal. Se alguém tiver que morrer, o guarda deve morrer, a mãe do guarda tem que sobreviver.
          A mãe do guarda o criou, a mãe do guarda o ensinou a comer sentado à mesa, não em frente à TV; o ensinou a usar os talheres e o guardanapo, a ajudar a retirar a mesa, e ajudar a secar a louça e guardar. O guarda aprendeu a pedir licença, a sorrir, a ser gentil e educado, a não se intrometer na conversa dos adultos, a fazer o dever de casa e a respeitar os mais velhos; o guarda nunca tirou notas vermelhas, nem foi à diretoria para ser advertido, o guarda sempre foi lotado de amigos.
          A mãe do guarda cuidava para que ele tivesse horários livres durante o dia para se divertir, andar descalço na rua, empinar pipa e jogar futebol, jogar bolinha de gude e colocar o anzol para pescar no riacho. A mãe do guarda deu-lhe várias duras e o fez comer verduras e legumes, tapas na testa quando falava besteira, e surras com fio de ferro de passar roupa quando o guarda vacilava com as suas obrigações.
          O guarda cresceu e arrumou um emprego que o ajudasse a colocar em prática tudo o que aprendeu com sua mãe durante a vida feliz, queria ajudar as pessoas e garantir que a cidadania fosse respeitada e funcionasse plenamente. O guarda usava a farda brilhando com orgulho e fé, sorria para as pessoas enquanto fazia a ronda a pé.
          A mãe do guarda o ensinou que não existem heróis; que Chuck Norris e Rambo jamais iriam muito longe com aquela atitude feroz. 



          Influenciou o guarda a se tornar um homem de bem, lutar pela paz e contribuir para um mundo melhor. A mãe do guarda sabia através da experiência, que nada jamais é sequer parecido com o que se pensa. Tratou de treinar o guarda para perceber a manipulação por trás das campanhas gigantescas prometendo fazer o bem, a não acreditar em falsos redentores que sorriem como em um comercial de creme dental enquanto a mão leve desfalca os recursos financeiros de quem já não o tem, prometendo ilusões que terminarão em morte.
          A mãe do guarda é quem sabe. Ela formou o guarda, não o sistema. Graças à mãe do guarda hoje há um ser humano do lado do bem. O que o guarda tem e mais ninguém tem é a preciosidade de uma mãe que encarava as sombras para protegê-lo sem super protegê-lo, e o transformou no portador de um uniforme limpo, à custa de socos, sermões e pontapés.
          Hoje o guarda é feliz, e tenta cuidar de sua própria família do jeito como foi cuidado. Mas os tempos são outros e isso enlouquece o guarda. E todas as vezes em que isso acontece ele reza; suas orações aliviam o peso de criar os seus filhos em uma zona de guerra.
          A mãe do guarda é feroz. A mãe do guarda é a determinação em pessoa. Não importa que o tempo passe, ela continua firme e a sua simples presença faz com que o guarda jamais desista do que é certo, por piores que sejam as chances de conseguir vencer. Graças à sua poderosa mãe, o guarda já venceu!



Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento