Campos lilases sem oferendas de salvamento


              Esse descaso que eu sinto pelas coisas seria a morte dentro de mim? Ensacada, congelada e derretendo constantemente, esvaindo-se gota a gota até a destruição fatal?

         A horda de silenciosos com suas malditas trombetas estourando os meus tímpanos sensíveis, a luz branca intensa cega-me os olhos por trás da cortina escura e tonteia a vontade própria, levando-a quase a nocaute?

          O mundo perde o sentido a cada passo que ouso dar e me encolho, incomodado. Agora é fácil me pegar odiando sem explicar que a futilidade é nociva para qualquer alma.

          
          Respirar é uma enorme dificuldade. Sorrir é impossível, palavra ausente nos dicionários de quem habita o canto dos portos, sob as lonas molhadas que cobrem as cargas.

         O peso nos ombros é quase esmagador, mais cruel do que a consciência da derrocada final; o caminhar mato adentro, o deslizar rampa abaixo...

         O limbo é o destino!



Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

A lenda do Bom Tejipió           Embaixo do pé de cajá ao anoitecer, com uma lança comprida de ponta fosca triangular, cort...

Expandindo o pensamento