Porcelana



“Ela sorri largo, de olhos arregalados
Castanhos como o desejo
Brilhantes como a inocência
É um sorriso desconcentrado, sem intenções secretas
Ou falsos pudores
É um sorriso para o mundo, com asas
Que ganham amplitude e altitude
Quebrando barreiras inconscientemente
Nesse momento não se pode atingi-la
Nem ser magoado por ela
É um toque divino se manifestando
Através de uma atitude humana
Antes de uma situação  de extrema simplicidade
Que alcance a todos indiscriminadamente
Um ato de paixão natural inerente a qualquer pessoa
Mas difundida por apenas algumas poucas escolhidas
Ela sorri de olhos abertos
Fagulha de uma paixão monumental
Pela arte de viver”.



Marcelo Gomes Melo


Para ler e refletir

Relato poético de um detetive de homicídios             Desmaiou ao ver aquela compilação de vidas extintas exposta no mesmo loca...

Expandindo o pensamento