Os rios, os lagos



A história de um tempo vago
Culminando em um beijo amargo
Sem saber aonde iria dar
O amor dos alienados

O caminho do paraíso
Construído a ferro e fogo
Pelos escravos de turvo jogo
Sobreviventes de um mundo aflito

A morte era o maior prêmio
Para uma vida maldita, inerte
Sem julgamentos fortes
Que o esplendor repete

Enlouquecer no processo
É viável e esperado
E a loucura mais do que bem-vinda
Ameniza o escravizado
 









Rios de sofrimento
Lagos de ressentimento
Poças de liberdade
Gotas de discernimento




Marcelo Gomes Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu feedback é uma honra!

Para ler e refletir

Sair da vida cedo demais Quando ela afirma que ama, não sabe o que diz, apenas repete o que vê nas novelas às quais assiste...

Expandindo o pensamento