Em toda velocidade ladeira abaixo




          De pouco serve o talento indisciplinado, porque não visa a evolução, não mais do que prazeres imediatos. Sejam quais forem as finalidades perseguidas, a disciplina é a primeira em uma lista curta de prioridades para tornar produtivas as ações que tornarão reais a caminhada para o êxito.
          O talento é inato e considerado um atributo necessário; bem utilizado desabrochará e será reconhecido automaticamente em todos os níveis, desde que acompanhado por resiliência, a capacidade de adaptar-se às diversas situações adequando-as com o talento para proveito próprio ou universal, e disciplina, para reconhecer os obstáculos e superá-los com força de vontade e sofrimento sem perder o rumo nem o respeito às regras e leis desde sempre determinadas.
          Faz parte da disciplina respeitar a diversidade de opiniões e aguardar o momento para argumentar, sendo conciso e claro nas próprias posições; o talento é a chave-mestra para desativar posições contrárias e alcançar o consenso.
          Em uma época estranha, com a hierarquia destituída e a ética invertida, a experiência tida como irrelevante, os ingredientes consumidos pela sociedade causam hipocrisia em altas doses e dogmas desarrazoados que destroem o funcionamento correto da vida em sociedade.
          A conclusão é óbvia: em um ambiente que não valoriza a disciplina, a hierarquia e o respeito, o talento é desperdiçado. Confusão é o que resta em toda velocidade ladeira abaixo.



Marcelo Gomes Melo



Para ler e refletir

Imperfeição              Eu posso dançar para você sob o toldo da calçada olhando a chuva que emoldura o luar, refletir em ...