EasyHits4U

EasyHits4U.com - Your Free Traffic Exchange - 1:1 Exchange Ratio, Business social network. FREE Advertising!

Dominar o próprio idioma é crucial!



            Um comercial na televisão sobre um curso de inglês chamou a atenção a respeito da maneira como enfocava a necessidade para a aprendizagem do idioma. Aparecia uma atriz encarnando uma chefe de uma empresa brasileira despejando estrangeirismos em cima de um atarantado secretário enquanto andava apressada pelo escritório; o rapaz, desesperado, tentava compreender e anotar as instruções, e um locutor apregoava que para entender a língua do patrão era crucial aprender o idioma inglês.
           O fato é que ela, a chefe, em momento algum falou em inglês. Misturou o supostamente parco português a uma série de expressões cujos sinônimos na língua pátria seriam mais simples, mais fáceis e muito mais eficientes. O comercial apenas demonstra a incapacidade da chefe de utilizar o próprio idioma, sendo ineficiente na língua portuguesa, além da atitude arrogante desnecessária de usar os tais estrangeirismos, obrigando o secretário novato a conhecer as principais expressões do idioma inglês no âmbito profissional para se dar bem no emprego.
             Isso não é ter necessidade de aprender um idioma; é apenas incentivar a que ele aprenda alguns macetes não brasileiros para conseguir lidar com a chefe que aparenta desconhecer o português e acredita piamente que utilizar-se de estrangeirismos elevará o próprio status ante os seus comandados e com o mercado em geral.



           Eis a síntese do comportamento social brasileiro da atualidade. A perda completa da noção da importância de conhecer, valorizar e saber utilizar o próprio idioma acima de tudo, pois essa é uma das colunas mestras para a autoestima de um povo, a força de um país.
        Aprender outro idioma é igualmente importante, porque o mundo globalizado exige que as pessoas facilitem o contato pessoal e profissional, e isso vai muito além de meras expressões a serem repetidas por papagaios que gesticulam como macacos.
          Uma pessoa deve aprender um idioma verdadeiramente, conhecendo as raízes e as regras; a forma culta do falar e do escrever. É óbvio que o falar informal, com gírias, expressões e jargões é igualmente importante, mas superficial; não significam exatamente conhecer uma língua.
          Por fim reforçou a visão de que nem tudo o que a mídia vende e produz, o faz corretamente. E o mais importante: deve-se respeitar, conhecer e utilizar o próprio idioma o tempo todo. Isso garantirá a evolução da língua e o aprendizado de outras sem desmerecer o que é seu por nascimento. Dominar o próprio idioma é exercer o poder da comunicação à máxima potência.



Marcelo Gomes Melo




Existência urbana. Sem luz nada acontece.



             Colocando os pensamentos em ordem na escuridão, fica fácil arranjar um lugar em cada prateleira para os obstáculos que nos afligem. E percebemos aqueles que sequer consideramos como um real obstáculo.
          A escravização por parte da tecnologia e afins, por exemplo, demonstrada claramente (através dos relâmpagos) durante um período longo de seis ou mais horas sem eletricidade. Por motivos de desastres naturais, mesmo que causados pelo péssimo uso dos recursos, ou pela ineficiência e falta de planejamento dos responsáveis, experts em aumentos de tarifas e diminuição de excelência do serviço, nos deparamos com o domínio ao qual somos expostos e viciados.
          O afastamento dos seres humanos chega à raias do absurdo! Não há mais pessoas que saem às suas calçadas apenas para conversar, nem mesmo sob a iluminação artificial. O encontro com a novela não permite a interação entre as pessoas; o perigo de ficar à porta de casa, também. Não há segurança. Bandidos podem assalta-las. A polícia pode surgir e tomar um grupo de pessoas conversando no portão como desordeiros e ladrões. Melhor não arriscar.
          A tempestade varre a cidade, castiga impiedosamente cada canto, demonstrando o crescimento desordenado, a engenharia de tráfego falha até para olhares leigos e o resultado da ausência de cidadania saltando pelos bueiros entupidos e lixo espalhado pelas ruas. Pessoas destruídas pela própria falta de educação e ética.
          A iluminação que antes se buscava era a do cérebro e do espírito; agora, a simples iluminação pública basta. Manter os aparelhos funcionando para celebrar a futilidade é o amor por si mesmo é melhor do que qualquer maneira de conhecimento filosófico, baseado em conceitos como o Sentir, o Amar, o Viver e o Compartilhar.



          Não da maneira como se compartilha a foto do lanche fast food, mas algo superior, que gere crescimento intelectual e espiritual.
          Os grandes centros urbanos são habitados por almas penadas armadas com smartphones, e que não têm condições de sobreviver em condições naturais, sem eletricidade e sem facilidade criadas pela tecnologia.
          O futuro insinua a formação de uma nova raça que não a humana, como a conhecemos: uma evolução física e mental, com tipos novos tipos de necessidades e modos diferentes de pensar e de se relacionar. Talvez sejamos os extraterrestres que muitos acreditam existir há séculos; uma raça em pleno processo de mudança em que valores vão se perdendo e outros vão sendo criados de forma polêmica e assustadora.
          Resta imaginar se a tal mudança é para melhor, e a que vai se perdendo pode ser esquecido e substituído com  vantagens. E isso muitos de nós jamais saberá.

 

Marcelo Gomes Melo

Para ler e refletir

A permanência sob os temporais           Eu quero permanecer sob a chuva, o mundo está tremendo como os meus sonhos. Aturd...